História do Dakar.

18. Moto T. Sabine 1976

A história do Dakar começou em 1977, quando o piloto francês Thierry Sabine escapou por muito pouco de morrer no deserto. Ele participava do Rally Abidjan-Nice na categoria motos, quando se perdeu no deserto do Saara. Como na época não havia uma estrutura de socorro eficiente, as buscas foram encerradas sem sucesso depois de 3 dias. Quando Sabine se preparava para cometer suicídio, um avião monomotor avistou o piloto e o salvou da morte. Apesar do sofrimento, o francês se apaixonou pelo deserto e imaginou uma forma de transmitir suas emoções. Pensou então em uma prova que saísse da Europa e atravessasse a África. Nascia, então, o maior rally do mundo.

A largada do primeiro Paris-Dakar aconteceu em 26 de dezembro de 1978, em frente à Torre Eiffel. Dos 170 participantes que saíram de Paris, apenas 69 chegaram a Dakar. O primeiro campeão foi o então jovem francês Cyril Neveu, pilotando uma Yamaha XT 500. Os nomes das cidades de largada e chegada da competição, Paris e Dakar, se tornariam conhecidos nos 4 cantos do mundo como a maior prova off-road já criada pelo homem. O Dakar abriu as portas para um mundo desconhecido, a África. "O Paris-Dakar é um desafio para os que vão. Um sonho para os que ficam", disse Thierry Sabine.

A partir de 1980, foram divididas as categorias carros, motos e caminhões.

O primeiro grande susto do rally aconteceu em 1983, quando uma tempestade de areia atingiu os competidores no deserto de Teneré, fazendo 40 pilotos ficarem perdidos. Felizmente, todos foram salvos após 4 dias de buscas.

Em 1986, um acidente de helicóptero ao sul de Níger tirou a vida de Sabine, assim como outras quatro pessoas que o acompanhavam: o cantor Daniel Balavoine, a jornalista Nathaly Odent, o piloto François-Xavier Bagnoud e o técnico de rádio Jean-Paul Lefur.

Em 1994 o Paris-Dakar passa a pertencer ao grupo Amaury Sport Organisation (ASO). O percurso marca a primeira inovação do grupo: um Paris-Dakar-Paris. Nas dunas da especial Atar-Nouadhibou os carros não conseguiram ultrapassar os 70 km/h. A equipe Mitsubishi persistiu, enquanto a Citroën decidiu contornar a dificuldade. Os organizadores anularam a especial. A equipe Mitsubishi, que não conseguiria mais voltar, foi obrigada a continuar a travessia pelo conjunto de dunas. Isto levou cerca de 36 horas para terminar aquela etapa. Exaustos, os competidores não partiram para a especial seguinte. O diretor da equipe Mitsubishi decidiu retirar os seus carros da prova.

Em 2000, a 22ª edição ofereceu uma surpresa: o rally atravessou, pela primeira vez, a África de leste à oeste, do Senegal ao Egito. O número de inscritos (400) traduziu o entusiasmo que gerou este percurso. Mas o percurso teve problemas devido às ameaças terroristas e os organizadores, então, decidiram fazer uma ponte aérea no meio do percurso. A rota foi seguida pela Líbia, em direção ao Cairo, e tudo se desenrolou da melhor maneira possível. Dois vencedores ficaram célebres aos pés das pirâmides: Richard Sainct (BMW) e Jean-Louis Schlesser (carro). O russo Tchaguinev ganhou com um caminhão Kamaz.

Em 2003, a prova completou 25 anos e continua tendo início na França, mas não em Paris e sim em Marselha. Pela primeira vez desde sua criação, em 1978, ele não acaba nas praias de Dakar, a capital de Senegal, mas no Mar Vermelho, nas praias de Sharm el Sheikh, no Egito. As mudanças no percurso, contudo, não são nenhuma novidade, já que ele jamais foi repetido nesse tempo todo. O Brasil é representado apenas pela equipe da Petrobrás / Lubrax que corre no Dakar desde 1988, quando os brasileiros estrearam na competição. A equipe é a única a competir nas 3 modalidades: carros, motos e caminhões.

No dia 29 de setembro, o francês Richard Sainct morreu depois de sofrer um acidente no Rally dos Faraós, no Egito. O piloto havia vencido o Paris-Dakar nas motos em três oportunidades, em 1999, 2000 e 2003. Por causa da morte de Sainct, uma das figuras mais populares da prova, os organizadores do Paris-Dakar decidiram retirar o número 1 da inscrição para 2005 como forma de homenagear os pilotos. Um dos mais afetados com a morte de Sainct foi o próprio Meoni. Mesmo abalado com o falecimento do rival na areia e amigo fora da velocidade, o italiano acreditava que a paixão pela aventura ainda o impulsionava a continuar. "Já vivi momentos parecidos com outros amigos. Infelizmente, não é uma novidade e também não é problema. Voltamos da mesma forma. Há uma grande paixão que nos empurra sempre", comentou Meoni. O tom ainda mais trágico da morte de Meoni ganha força nas palavras proféticas na edição do jornal italiano La Republica, na matéria que tratava da morte de Pérez. "A morte mostra o lado feio da corrida. O Paris-Dakar é fascinante, é parte da nossa paixão, mas existem algumas coisas que não deveriam acontecer", disse a publicação.

As vésperas do início do Dakar 2008, a ASO, organizadora do evento, cancelou a realização do maior rally off-road do mundo, frustrando pilotos, navegadores, equipes e fãs. O motivo do cancelamento do que seria a 30ª edição do Dakar foi a falta de segurança na Mauritânia, país que receberia 8 das 15 etapas da prova. A competição teria início em Lisboa, Portugal, com a chegada em Dakar, Senegal. A prova de 2008 teria a participação de 245 motos, 20 quadriciclos, 205 carros, 100 caminhões num total de cerca de 570 equipes. O governo da Mauritânia garantiu a segurança do rally com o envio de 3 mil agentes de segurança para acompanhar a passagem de toda a caravana da prova pelo país. Mas na última semana, a França alertou os seus cidadãos para não viajarem a Mauritânia devido ao risco de terrorismo, além de avisar a ASO sobre a possibilidade de atentados aos membros da competição graças as ameaças do grupo Al Qaeda, responsabilizada pela morte de 4 turistas franceses por 3 pessoas armadas com metralhadoras na cidade de Nouakchott, causando grande comoção na França. A partir daí, foi questionada a segurança da prova. Termina assim a história do maior rally do mundo, 
 
 
 
Foto - Moto pertencente ao Sabine encontrada no deserto em seu estado original. reparem  o estado do banco e do tanque de combustível, esta num museu em Paris.

 

DAKAR 2015

INICIOU DOMINGO O DAKAR 2015 - BREVE NOVAS  NOTICIAS

baner trailclube

 

banner-publicidade